Sistema muscular

O sistema muscular é de grande importância para o funcionamento do corpo humano. São encontrados três tipos de músculos com características, localização e funcionamento diferentes. Os três tipos de músculos são classificados em estriado esquelético, estriado cardíaco e músculo liso. A figura abaixo descreve a localização dos três tipos de músculos encontrados no corpo humano.



Observamos que o músculo esquelético está ligado ao esqueleto, notadamente ao sistema ósseo, sendo responsável pela parte ativa do movimento do corpo. O músculo estriado cardíaco é encontrado na parede do coração, principalmente nos ventrículos e tem a nobre função de fazer que o coração se contraia e ejete sangue para as mais variadas regiões do corpo. Revestindo nosso corpo temos a musculatura lisa encontrada nas paredes das vísceras e também nos vasos sanguíneos, notadamente arteríolas e veias. Se lembrarmos do que discutimos no sistema nervoso, vamos lembrar que a musculatura estriada esquelética tem controle voluntário e está sob o controle somático da divisão eferente. Músculos lisos e cardíacos estão sob controle involuntário do sistema nervoso autônomo e consequentemente não conseguimos controlar o trabalho dos mesmos. Vamos iniciar nossa discussão pelo músculo estriado esquelético. Ao observarmos a estrutura dos músculos, observamos que eles são formados por células chamadas de fibras que são alongadas e compostas por proteínas chamadas contráteis e algumas outras regulatórias. Essas proteínas são chamadas de miosina, actina, troponina e tropomiosina e são responsáveis pelo seu encurtamento e conseqüente contração. Observem uma figura que mostra a organização dessas proteínas contráteis:



Devemos observar na figura que temos regiões claras e regiões escuras se alternando e isso acontece devido à disposição dos miofilamentos contráteis descritos anteriormente (actina, miosina, troponina e tropomiosina). Observem que na figura temos uma região chamada de banda A que é mais escura e outra chamada de banda I que é mais clara. Por que dessa diferença? Na banda A temos a região chamada Anisotrópica ou anisotrófica que não tem afinidade pela luz polarizada, ou seja, não deixa que a luz passe por ela e isso é devido a uma característica de composição dessa parte muscular que é formada por miosina que é a estrutura grossa da fibra muscular. A miosina é uma proteína grande formada por duas subunidades e está concentrada nessa região muscular. Na banda I temos a área chamada Isotrópica ou Isotrófica pois nessa parte da fibra muscular existe afinidade pela luz polarizada ou simplesmente a luz passa por essa parte da fibra devido a presença de filamentos finos formados por actina, troponina e tropomiosina. Durante a contração muscular, os miofilamentos de actina deslizarão sobre os filamentos de miosina e teremos o encurtamento do sarcômero. Mas o que é sarcômero? Sarcômero é a unidade funcional do músculo e é o espaço compreendido entre duas linhas Z que é a região que está no meio da banda I e onde se inserem os miofilamentos de actina. O que devemos mais observar na figura acima? Outras estruturas merecem destaque. Observem que o músculo foi dessecado e sua membrana plasmática foi rebatida. Nos músculos chamamos a membrana plasmática de sarcolema e disperso no sarcoplasma (o equivalente ao citoplasma) temos os filamentos protéicos contráteis. A fibra muscular é bastante grossa e seria uma missão quase impossível após sua estimulação que todo esse potencial elétrico chegasse por inteiro a toda sua estrutura, notadamente o interior da célula. Para resolver esse problema, a fibra muscular tem uma invaginação do seu sarcolema, chamado de túbulo transverso ou simplesmente túbulo T que é uma extensão do sarcolema que leva todo o sinal elétrico de modo quase que instantâneo para todo sua estrutura. Acoplado ao túbulo T temos o retículo sarcoplasmático que nada mais é que um reservatório de cálcio que será uma peça chave para o processo de contração muscular. No músculo esquelético temos a associação de um túbulo T e dois retículos sarcoplasmáticos e isso chamamos de tríade. No músculo cardíaco para cada túbulo T temos um retículo sarcoplasmático associado e chamamos de díade. O músculo liso praticamente não acumula cálcio em seu interior e essa estrutura não é lá encontrada. O cálcio tem um importante papel no mecanismo contrátil, pois ele irá se ligar a uma porção da troponina e elevará a tropomiosina, fazendo com que actina e miosina interajam, com consequente contração da fibra muscular, mas isso veremos quando formos falar da contração do músculo esquelético.


Matrículas abertas até 22/11
Não fique de fora!